Poemas e poesias

 

08
Ago 08

 


É o “eu” cortante,
Sem aparas,
A desnudar o lírico,
Numa verdadeira carnificina.

Do “absurdo” de Camus,
Cuja premissa é o ridículo Sísifo,
Remanesce o porquê,
Na tentativa de racionalizar a jornada.

A sobrevivência no deserto
Independe de savanas;
O importante são as miragens,
A iludir a razão.

Trôpego o raciocínio,
Acentua-se a cobardia,
Na inconveniência de encarar
A dura realidade.

A dor do só,
Sentida pelos fracos,
É o absurdo
Do roteiro certo;

Do destino inescapável,
Do traço traçado.
O esquete romanesco
No teatro da vida.
 

Luc Gabriel


 

publicado por Odracir às 23:00


MusicPlaylistRingtones

Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
23

24
27
28
29
30

31


arquivos
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.