Poemas e poesias

 

05
Ago 08

Olhos fixos no vazio do pensamento
buscando algo, sem saber se existe;
na solidão fria, o amargo relento
e a esperança que ainda resiste.

O terminar de uma angústia dorida
desse silêncio longo que ensurdece;
a falsa alegria na face escorrida,
que todos os dias, viva permanece.

Conviver num mundo fraco e doente,
aficionado da mentira constante;
na inocência não controla a mente
e dia-a-dia faz-se mais ignorante.

Uma sociedade carregada de cobrança,
onde o mais fraco não tem espaço.
Olhos tristes na imagem de criança
abatida e vencida pelo cansaço.

Por instinto, não desiste dessa luta...
Há uma luz que insiste em brilhar;
alma armada, decidida na labuta,
mais madura para a glória conquistar.

Como fonte de energia, tem a verdade...
Como fio da navalha, basta a coragem...
Da palavra, vira o bem contra a maldade;
de atitudes, vai moldando a sua imagem.

Parece fácil cada verso aqui escrito;
em cada um, cicatrizes de lamentos.
Pudesse converter a poesia num grito
que deixasse livre os meus rebentos.

Volta-se o olhar ainda vazio e triste
E no relento, e só, o amargor domina;
sem a certeza que a esperança existe,
sem se lembrar do que a vida ensina.

 

Anna Muller



comentário:
excelente poema, temos muito a aprender com estes textos desta senhora
NMM a 5 de Agosto de 2008 às 23:15


MusicPlaylistRingtones

Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
23

24
27
28
29
30

31


arquivos
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.