Poemas e poesias

 

11
Set 08

4º MOTIVO DA ROSA

 


Não te aflijas com a pétala que voa:
também é ser, deixar de ser assim.

Rosas verá, só de cinzas franzidas,
mortas, intactas pelo teu jardim.

Eu deixo aroma até nos meus espinhos
ao longe, o vento vai falando de mim.

E por perder-me é que vão me lembrando,
por desfolhar-me é que não tenho fim.

 

Cecília Meireles


 

publicado por Odracir às 18:25


MusicPlaylistRingtones

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10

15
16
17
18
19
20

21
22
23
26
27

28
29
30


arquivos
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.